Endometriose Salvador, Bahia

Encontre médicos especialistas em Endometriose em Salvador. Veja abaixo endereços e telefones de clínicas e hospitais em Salvador, além de informações sobre Endometriose, dicas de prevenção, diagnóstico e tratamento.

José Aníbal Coelho Freire
(71) 3237-5135
Avenida Anita Garibaldi 1555 s 607
Salvador, Bahia
 
Polimédica Clínica Especializada
(71) 3359-0751
Avenida Antônio Carlos Magalhães 429 s 204
Salvador, Bahia
 
Angioprocto
(71) 3332-0222
Avenida Juracy Magalhães Júnior 2096 sl 705
Salvador, Bahia
 
Clínica de Fraturas e de Assist Médica
(71) 2109-0550
Avenida Genaro de Carvalho 205
Salvador, Bahia
 
Clínica Lugar
(71) 3347-8777
Rua Território Rio Branco 346
Salvador, Bahia
 
Sandra G Thavares
(71) 3334-0779
Rua Eduardo José Santos 147 s 1203
Salvador, Bahia
 
Servimed
(71) 3312-9804
Avenida Dendezeiros do Bonfim 111 A
Salvador, Bahia
 
Clínica Guri
(71) 3371-3057
Rua Antônio Pinto Cabral 2
Salvador, Bahia
 
Policlínica Santo Inácio
(71) 3389-2955
Rua das Pitangueira 35
Salvador, Bahia
 
Clínica Nascimento
(71) 3237-8395
Avenida Reitor Miguel Calmon 1210 sl 502
Salvador, Bahia
 

Endometriose

DESCRIÇÃO: Endometriose é uma doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e que consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. O endométrio é a camada interna do útero, que se renova mensalmente pela menstruação. Os locais mais atingidos pela endometriose são: ovários, fundo de saco de Douglas (atrás do útero), fundo de saco anterior (à frente do útero), ligamentos do útero, trompas, septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto), superfície do reto, bexiga, e parede da pelve.CAUSA: No momento da menstruação, parte do sangue eliminado passa pelas trompas e cai dentro da barriga. Esse sangue contém células que têm a capacidade de crescer em locais como o ovário. Quando o sistema imunológico responsável pela defesa do organismo não consegue eliminar essas células, a doença endometriose se estabelece.PREVENÇÃO: A presença da endometriose pode ser suspeitada pela história clínica: cólicas muito fortes no período menstrual (com piora progressiva); dor profunda na relação sexual (dependendo da posição); dor com irradiação para a raiz da coxa ou para o ânus; dor para evacuar (às vezes com diarréia) ou para urinar no período menstrual. O toque ginecológico pode revelar nódulos fixos e dolorosos na parte posterior do útero (entre o útero e o reto). Algumas vezes massas anexiais fixas podem ser encontradas bilateralmente. O toque retal pode detectar envolvimento do reto e dos ligamentos laterais do útero (paramétrios). O estabelecimento da endometriose necessita da presença da menstruação. Assim, qualquer tratamento que consiga bloquear a menstruação por tempo prolongado, pode impedir ou dificultar o surgimento da doença. Existem alguns medicamentos hormonais que são normalmente usados para esse fim. Nas mulheres que já tenham o diagnóstico de endometriose é importante o conceito da prevenção secundária, ou seja, impedir ou dificultar o avanço da doença.SINTOMAS: A endometriose pode ser assintomática ou pode ter sintomas muito diferentes de uma mulher para outra, o que dificulta o diagnóstico. Os sintomas principais encontrados são dores e esterilidade: dores nas menstruações; dores na ovulação; dores durante ou após as relações sexuais; dores na micção ou na defecação; dores na inserção de um absorvente interno; e esterilidadeTRATAMENTO: A base do tratamento é cirúrgica (muitas vezes no próprio momento do diagnóstico, durante a videolaparoscopia) e pode ser complementada por medicações hormonais. O tratamento deve ser individualizado. Uma das principais variáveis na escolha do tratamento é a presença da infertilidade. Os tratamentos hormonais costumam ser eficazes no controle da dor, porém na mulher que deseja gestar os hormônios não ajudam (não aumentam a chance de gravidez). A idade da mulher é fundamental, pois sabemos que quanto maior a idade, menor a chance de gravidez. Mulheres acima de 37 anos não podem perder tempo e não devem adiar muito a laparoscopia ou a fertilização in vitro, dependendo de cada caso. Nos casos de dor que não respondem aos tratamentos hormonais, a cirurgia pode ser necessária, especialmente se envolver órgãos nobres como a bexiga, ureter, rins ou intestino. O tratamento da endometriose, hoje, depende de uma avaliação cuidadosa de cada caso, e de um “bate-papo” sincero entre o médico e a paciente, que resolverão juntos o caminho a ser seguido. O mais importante no tratamento da endometriose é o planejamento das ações terapêuticas que, por sua vez, deve estar em comum acordo com o planejamento da gravidez pelo casal. As principais metas do tratamento são: aliviar ou reduzir a dor; diminuir o tamanho dos implantes; reverter ou limitar a progressão da doença; preservar ou restaurar a fertilidade; e evitar ou adiar a recorrência da doença.